Informe Publicitário para a Revista Veja (publicado em dezembro/2011)

A receita de um natal feliz é usar sem dosagem os seguintes ingredientes: felicidade, alegria, família reunida, e claro, pratos deliciosos. A tradição da ceia é de séculos atrás, e cada país tem o seu costume e preserva a sua história. Na Europa, o costume era na noite de natal, deixar a porta aberta para que famílias e peregrinos pudessem confraternizar. Desde o século XVI, na Europa e Estados Unidos o Peru é ave principal da ceia.

Prepara no dia 24 de dezembro e símbolo do banquete eterno, a ceia reúne família, amigos em volta da mesa para celebrar o nascimento de Jesus Cristo e também a fraternidade. Espalhando o nascimento do Salvador da humanidade.

Mas em qualquer país, a ceia é recheada de pratos deliciosos. No Brasil, os pratos principais são: aves recheadas, carneiro, porco, arroz com frutas secas como nozes e passas, além dos doces, do panetone e do tradicional bolo de reis. Durante a colonização, os índios serviram peru para comemorar a primeira grande colheita, e assim surgiu o hábito de consumir peru para celebrar datas importantes. Outros alimentos tradicionais do Natal são as frutas secas, as nozes, as castanhas e o panetone. Este foi criado na Itália, mas não se sabe exatamente sua origem. Existem várias versões. De acordo com uma delas, um padeiro de Milão chamado Tone, em aproximadamente 900 d.C., fez um pão e misturou nele alguns ingredientes como frutas secas e nozes. Esse pão fez muito sucesso e ficou conhecido comopane di Tone.

Muitas famílias ainda mantém a tradição da ceia, na casa do profissional de atividade física, Sérgio Pavão, a montagem do Natal começa no dia 24 de novembro, com a árvore, e na véspera, todos se reúnem para ceia, com direito a visita do Papai Noel: “minha origem é paraguaia, e minha vó mantinha tradição do presépio, cada família tinha que visitar o presépio do vizinho, levar frutas, que significava mesa farta para o próximo ano”, recorda. Pavão ainda conta, que os presentes são dados no natal e também no dia 06 de janeiro, pra comemorar o dia dos Reis Magos.

As tradições foram se incorporando as culturas com o tempo. No Brasil, cada família tem em sua origem os costumes para o natal. Com família italiana e espanhola, Elizabete Rossi conta que para os europeus, a ceia de natal é sagrada, com comidas cuidadosamente preparadas: “quando o natal chegava, papai reunia a família e a ceia era servida pontualmente a meia-noite, e assim ficávamos até de madrugada, no dia seguinte uma nova ceia para celebrar o nascimento de Cristo e agradecer pelas bênçãos do ano”, lembra. Ainda segundo Elizabete era as mulheres quem preparava as comidas, e havia receitas que não podiam faltar: “Bolo de Reis, nozes e passas, carneiro recheado, carne de porco, e claro muito vinho. Para papai, mesa farta era sinônimo de bênçãos alcançadas, família forte, tradição mesmo”.

Algumas famílias possuem segredos de receita passados ao longos dos anos, e em alguns países as comidas da ceia podem ser bem peculiares. Na Austrália, onde as festividades natalinas acontecem durante o verão, as pessoas costumam fazer a ceia de natal em praias. Na África do Sul, outro país que comemora o natal durante o verão, é comum fazer a ceia de natal em mesas colocadas do lado de fora das casas. Já na Polônia é proibido comer carne vermelha na Ceia de Natal. Os poloneses comem peixes, acompanhados de vinho branco. E na Alemanha come-se carne de porco e muitos doces, pão-de-mel e das amêndoas torradas. Pratos tradicionais de tempero forte também são muito comuns durante a ceia de natal.

Cada país têm seus pratos maravilhosos, com suas tradições, costumes para a ceia, porém o encanto da ceia do natal é único no mundo inteiro. E também reúne a família e renova votos de amor e carinho entre todos. Independente da tradição, ceiar no dia 24 significa ser mais humano, celebrar sentimentos de fé e esperança, sem importar a religião.

Luzes que encantam

Não há nada mais esperado no ano inteiro do que a decoração de natal. Casas, ruas, centros comerciais, órgãos públicos, a cidade inteira se ilumina com bolas coloridas, luzes, árvores, Papai Noel, presépios e até neve artificial. Tudo para comemorar o nascimento de Jesus Cristo.

A decoração natalina mantém o espírito de natal durante todo o final de ano e no início do novo ano em lares do mundo inteiro. Já no dia 6 de janeiro, comemorado Dia de Reis, é o dia em que se deve desmontar a decoração e trocar presentes.

A magia da decoração natalina está presente no mundo há muitos anos. Em 1223, São Francisco começou a difundir a ideia de comemorar o nascimento do menino Jesus com figuras de barro, de lá pra cá, não há dúvidas que a tradição do presépio natalino se difundiu pelo mundo criando uma ligação com a festa do Natal. A tradição popular acabou virando mania e se transformou em peça de decoração de árvores de Natal, mesmo em países tropicais como o Brasil.

Outro elemento indispensável é a árvore de Natal, originalmente criada pelo padre Martinho Lutero (1483-1546) que queria mostrar as crianças como deveria ser o céu na noite do nascimento de Cristo, então enfeitou um pinheiro com papel colorido. Piscas-piscas, bolas coloridas, presentes, estrelas acompanharam a evolução da árvore. Segundo a tradição, a decoração deve incluir 12 ornamentos, que representam o ano novo próspero. Os enfeites e ornamentos são uma “casa”, indicando proteção; um “coelho”, que trás a esperança; uma “xícara”, provando a hospitalidade; um “pássaro”, transmitindo a alegria; uma “rosa” que simboliza a afeição; uma “cesta de frutas” como forma de demonstrar a generosidade; um “peixe”, a benção de Cristo; uma “pinha”, símbolo da fartura; o “Papai Noel”, que é a figura da bondade humana; uma “cesta de flores”, representando os bons desejos; e finalmente um “coração”, como prova do amor verdadeiro.

Ainda tem a tradição americana de colocar guirlandas na porta, para desejar coisas boas para os moradores e visitantes.

E outro personagem importante do natal, responsável pela magia das crianças é o bom velhinho, Papai Noel. Conta a história que foi um homem chamado Nicolau, nascido no século III, em Patras, na Grécia. A família de Nicolau era muito rica. Após perder pai e mãe, o jovem Nicolau decidiu dedicar sua vida à religião e doou todos os bens da família a pessoas carentes. Relatos bíblicos mostram uma generosidade fabulosa de Nicolau, em especial para com as crianças a quem presenteava com brinquedos e roupas, montando em um burrito com trajes de bispo. Esta lenda ganhou fama e todos passaram a chamá-lo de Santa Claus, o Papai Noel.

Com todos esses elementos, ao longo do tempo, tradições e personagens foram criando o espírito do natal. Em qualquer lugar do mundo, o natal é motivo de festa, alegria e principalmente reunir a família. A decoração natalina é quem transmite todos esses sentimentos.

Andar pela rua e ver as luzes a noite chega dar aquele brilho nos olhos, passear pelos shoppings, lugares temáticos, é encantar as crianças e pra quem já é adulto é como voltar a ser criança. É ir além do pedido da carta do Papai Noel, esperar na madrugada pela visita do bom velhinho com presentes.

Comemorar o natal é renovar esperanças, sentimentos e valores para o próximo ano. Presentear e celebrar os laços da vida, e estar próximo de família e amigos.

crédito: Wagner Jean

crédito: Wagner Jean

crédito: Wagner Jean

crédito: Wagner Jean

crédito: Wagner Jean

crédito: Wagner Jean

Anúncios